As cores da lusofonia

Nós já mencionamos aqui que você tem vários motivos para reconhecer o português como uma língua internacional. Língua oficial em nove países, o português é ainda falado em outras regiões e há particularidades. Uma delas é o léxico, o acervo de palavras de uma língua. Note que aqui nós não tratamos léxico e vocabulário indistintamente, já que o vocabulário funciona como uma fatia do léxico que corresponde ao nosso repertório individual.

O que mais caracteriza a lusofonia é a multiplicidade das culturas que a compõem. Dessa forma, o português falado no Brasil tem características distintas daquele falado nos outros países-membros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). Cada um desses membros passou por um processo histórico-social diferente, formando, assim, repertórios distintos.

Pensando nisso, o IILP (Instituto Internacional da Língua Portuguesa)  tem professores e pesquisadores empenhados na construção do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC), que já segue os princípios do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Em entrevista à Rádio Agência Nacional, o professor Gilván Muller, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), reforçou que os países africanos integrantes da CPLP não apresentam uma maioria de falantes de língua portuguesa. Essa média é de 50%. Alguns desses países tiveram suas guerras civis cessadas na modernidade e passaram recentemente por uma reestruturação de seus sistemas educacionais. Para esses casos, a ONU estima que apenas em 2050 100% dos cidadãos desses países falarão também o português.

Abaixo, reunimos algumas particularidades do vocabulário do português, que é falado na Angola, no Brasil, em Cabo Verde, na Guiné Bissau, na Guiné Equatorial, em Moçambique, em Portugal, em São Tomé e Príncipe e no Timor Leste.

Note que as variantes lexicais abaixo não são exclusivas, ou seja, elas podem coexistir com outras de acordo com a faixa etária, o contexto discursivo, a fala e a escrita, as classes sociais, a posição geográfica e o contexto histórico das comunidades linguísticas.

1. Vai um rebuçado aí?

Bala

2. Bora pra minha kubata na montanha?casebre

3.  Cadengues são muito espertos!

Crianças

4.  Esquece a festa, eu tô sem couro!

Dinheiro

5. Já hidratou sua casca de boca hoje?Labios

Essas amostras lexicais foram retiradas do livro “7 Vozes: léxico coloquial do português luso-afro-brasileiro” de Clenir Louceiro, Emília Ferreira e Elizabeth Ceita Vera Cruz.

Em “Língua: vidas em português”, de 2004, José Saramago, ganhador do Prêmio Nobel de literatura, afirma: “Não há uma língua portuguesa, há línguas em português”. Nós concordamos com Saramago e reconhecemos a grandeza da língua portuguesa.

Até a próxima!

Eugênia Fernandes

Equipe Icepe

2 Comments on “As cores da lusofonia

  1. Ao se referir aos miúdos (de Portugal) o brasileiro diz “crianças”, e não pequenos.

    • Obrigada pelo seu comentário, Inaldo. Você tem razão, no Brasil é comum falar “crianças”, mas também há outras formas de se referir a eles. “Pequenos” é uma opção. O português é muito rico e não estamos em posição de excluir nenhuma variedade. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *